A CRÍTICA CONSTRUTIVA

Estamos intoxicados emocionalmente pela pressão diária dos resultados e desenvolvemos o hábito de apontar erros, enxergar falhas e descobrir defeitos.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O mais interessante é que quando queremos “mostrar as falhas” usamos a desculpa de que é apenas uma crítica construtiva.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Desculpem pela sinceridade: quem critica não ensina ou constrói, pois o tom de uma crítica normalmente é negativa.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Temos sempre a intenção positiva envolvida em nossas atitudes, entretanto apontar falhas, não eleva autoestima de quase nenhum ser humano...muito pelo contrário.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
E então: o que fazer?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Primeiro é importante perceber se a crítica/feedback foi solicitada.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Depois, uma boa estratégia é internalizar que podemos não ter razão sobre o acontecimento e assim alterar a intenção de fazer a “crítica construtiva” pela intenção de fazer um “questionamento”.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Então ao invés de dizer: “Se importa que eu dê um feedback?”, considere dizer: “Isto foi o que eu entendi. Há algo que eu não tenha percebido?”É importante avaliar se o questionamento é sobre o conteúdo da ação ou sobre a me competências da pessoa, porque se for este último, não vale a pena. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
No mais, também é importante apresentarmos soluções como forma de perguntas ao invés de apenas apontarmos o problema. Afinal, é o nosso ponto de vista e não uma verdade única e absoluta.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Vamos focar nos pontos positivos ao invés das falhas, validar os acertos ao invés destacar os erros e assim construir verdadeiras melhorias!